Elétricas podem recuperar valor de mercado com mais eficiência

05-07-2018

O setor elétrico perdeu R$ 65 bilhões em valor de mercado nos últimos cinco anos ou desde a promulgação da Medida Provisória 579, que renovou antecipadamente as concessões de geração e transmissão, mas submeteu o segmento a uma política de preços definidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), afirma a alemã Roland Berger. Monitoramento do setor feito pela consultoria constata que, de 2013 a 2018, as empresas de geração, transmissão e distribuição de energia não conseguiram gerar retornos suficientes para pagar custo de capital.

Essa perda bilionária é atribuída pela Roland Berger à crise econômica, aumento dos juros e da inadimplência e ao roubo de energia. A consultoria indica que boa parte dessa perda poderia ter sido evitada se as empresas tivessem corrigido suas próprias ineficiências. Ações para melhorar a gestão do capital e a análise de riscos teriam gerar, em três anos, de R$ 25 bilhões a R$ 30 bilhões em valor adicionado. Em relatório, Daniel Martins, executivo da Berger responsável pela análise, afirma que a MP promulgada há cinco anos trouxe de fato prejuízo e há ajustes a fazer, “mas dá para o setor ser mais eficiente”.

Há uma lacuna técnica no processo de análise, avaliação e gestão de projetos no setor elétrico que ainda não utiliza modelos de gestão em que cada operação consome capital e gera retorno individual, para ajustar gargalos, negociar melhores tarifas e preços e desinvestir em ativos ineficientes.

A consultoria informa que até R$ 20 bilhões da geração de valor projetada para o setor poderiam ser obtidos somente com a digitalização de operações. E calcula que o setor poderá ser recuperado a partir da implementação de medidas que aumentem a eficiência e as margens operacionais especialmente no segmento de distribuição de energia.

Fonte: Valor Econômico

Fique sempre atualizado!

Faça seu cadastro e receba nossos informativos, eventos e cursos.

Torne-se um associado

Conheça os benefícios de ser um associado ABESCO

Como se associar